O Caminho da Iluminação e o Caminho da Liberação

Ao Leitor/Caminhante:
 o Texto abaixo é de autoria de Janine Milward ₢2004.
 Se você quiser copiar ou encaminhar, 
faça sempre na íntegra e sempre mencionando sua autoria e seus direitos reservados. 
Obrigada e Namaskar, eu saúdo você com minha mente e com meu coração.




O Caminho da Iluminação e o Caminho da Liberação

Janine Milward

A Expansão da Consciência
e os Caminhos da Iluminação e da Liberação

Podemos compreender que tanto a nível do Mundo da Não-Manifestação quanto a nível do Mundo da Manifestação, tudo é mente. Mente imajada em Luz subjetiva e mente imajada em Luz objetiva.

É dentro, portanto, desta premissa que podemos tecer nossos Caminhos da Iluminação e da Liberação (ou Imortalidade).

A Iluminação pressupõe mente, consciência, infinita e iluminada. A Liberação ou Imortalidade, pressupõe vida infinita e iluminada. São um só Caminho, desmembrado em dois Caminhos, um anterior e outro posterior. E ambos os Caminhos somente podem ser realizados dentro da encarnação... e não fóra – não importando quantas vidas, quantas encarnações sejam necessárias para a realização do caminho espiritual em sua completude, em sua plenitude.... Não podemos nos esquecer de que apenas levamos conosco, em nosso espírito, em nosso Trem da Vida, de uma vida para outra, aquilo que ficou marcado em nossa mente. Dessa forma, a expansão iluminada e infinita da mente – a Consciência – se faz absolutamente imprescindível na encarnação.

Srii Srii Anandamurti, o Mestre do Tantra e do Caminho da Bem-Aventurança, nos diz que a única meta do homem (aquele que possui mente expandida e iluminada – a consciência) é fusionar-se com Paramapurusa, com Deus, com o Tao da Criação, com a Consciência Suprema, é retornar à Fonte Primordial.


Mortalidade e Imortalidade – Iluminação e Liberação

 Janine Milward

No Capítulo 7 do Tao Te Ching, Lao Tsé nos diz:

O céu é constante, a terra é duradoura
O que permite a constância e a duração do céu e da terra
É o não criar para si
Por isso são constantes e duradouros (5)

Dentro do ato da Eterna Mutação do Mundo da Manifestação, existe a constância do céu e existe a duração da terra. E ambos fazem a eterna mutação acontecer através do fato de que ‘não criam para si’. Sendo assim, o Mundo da Não-Manifestação pode ser espelhado pelo Mundo da Manifestação – sendo apenas espelhado, surgem Maya e Prakrti, o princípio criativo e a energia cósmica que realiza esta Criação..

A questão é: enquanto formos apenas pertencentes a este Mundo da Manifestação, na qualidade de Criação do céu e da terra em suas constância e duração e que não reclamam esta Criação para si mesmos -, tudo aquilo que ‘criarmos ou re-criarmos’ estará contido dentro do eterno retorno, dentro do ciclo de nascimento, vida e morte, dentro do Mundo da Manifestação. E mais, enquanto homens e mentes pensantes e até mesmos infinitamente conscientizadas e iluminadas, nossa criação também fará parte do ter e do não-ter.

Não nos esqueçamos que Lao Tsé nos diz que céu e terra criam, sim, mas não querem esta Criação para si, apenas criam, porque essa é a naturalidade do Tao, apenas ser.

Quando o homem cria e re-cria, essa ‘Criação" lhe pertence, ou seja, pertence ao Mundo da Manifestação – que já é por si mesmo, uma criação, já é criado... Dessa forma, não apenas o homem imita a Criação como também se apega a ela na medida que são todos parte de uma mesma e original Criação... Dessa forma, o homem cria para si – por isso apenas possui a duração – a mortalidade. Diferente do céu e da terra que não criam para si – por isso possuem constância e duração - Imortalidade.

Assim, a verdadeira Imortalidade – a constância do céu – pode ser alcançada, sim, certamente. No entanto, para tanto, é preciso haver o desapego. Que desapego é esse? O desapego da própria Criação em sua duração.


Reencarnação de Universos...

 Janine Milward


O desapego existe desde o instante que podemos apreender do aparente início do universo em que vivemos: o Big-Bang, a grande explosão que revela a Luz primordial que dá berço à vida assim como a conhecemos – o Sublime Yang, o Tempo.

Imediatamente após a instauração da Luz primordial, ela se propaga inflacionando e criando o chamado Espaço – o Sublime Yin, a Não-Luz.

O tempo existe fazendo com que o céu seja constante. O espaço da matéria e da anti-matéria existe um dia, não existe outro, volta a existir no outro dia fazendo com que a terra seja duradoura. Ambos apenas existem e se existem dentro da constância e da duração é porque apenas criam, criam todo o universo, toda a natureza, todos os seres... mas não criam para si... apenas criam. E porque apenas existem e criam são constantes e duradouros.

No entanto, é sempre bom nos lembrarmos que esta Luz aparentemente primordial muito possivelmente advém do Revirão entre o Sublime Yang e o Sublime Yin de algum universo anterior....

Nosso universo como o conhecemos um dia teve o seu começo e um dia terá seu fim... Estamos apenas em seus dias de adolescência, é verdade... Porém chegará o tempo em que não mais existirão estrelas e o universo será uma imensa vastidão de Vazio ao apagar de todas as Luzes. Novamente, esse Vazio, como uma semente, renascerá criando um novo universo, em um novo Big Bang - dentro da imensa vastidão do Pluriverso do Tao da Criação. Re-encarnação de universos...


Somos Poeira de Estrelas

 Janine Milward

Quando uma estrela explode ejeta na Galáxia gases e partículas que em algum tempo e em algum espaço se condensarão e formarão outra estrela com seus planetas girando em torno de si e, quem sabe, gerando vida... Assim, elementos leves e elementos pesados se fundem alquimicamente fazendo e refazendo, criando e re-criando, numa re-encarnação quase eterna, a natureza, os seres, nós.

Somos, então, poeira de estrelas. Em nossos ossos, nossas veias, nossa carne, todo nosso corpo, estão reencarnados os elementos químicos provenientes de estrelas que viveram antes de nós e que morreram e ao morrerem, nos proporcionaram a vida tal como a vivemos e conhecemos.

Sendo poeira de estrelas, temos em nosso corpo e consequentemente em nossa mente, guardados toda a herança deixada pelas estrelas nossas antecedentes, como uma árvore genealógica da galáxia, do universo em que vivemos. Assim, existe dentro de nós e em nós o passado, o presente e o futuro, tudo dentro de nossa vida, numa mesma simultaneidade do universo.

Assim é o nosso corpo dentro do tempo e do espaço em que existimos. No entanto, sendo poeira de estrelas, podemos voltar a ser uma estrela?

O que dentro de nós certamente pertence à totalidade desse universo, que com ele junto nasceu, que anteriormente a ele já existia e quando ele morrer, não morrerá e junto com a semente que restou do universo que findou, explodirá em um novo universo?

- O espírito do Tao. O Espírito do Tao que gera o Tudo dentro do Nada e que cria o Todo... Esse espírito vive em cada tempo e espaço do universo que conhecemos. Esse espírito vive na Terra, no Sol, na Lua, na Galáxia, nas outras estrelas, nas outras galáxias, em mim, em você.

A consciência expandida significa a assunção do Espírito do Tao através do Caminho da Iluminação, inicialmente, e posteriormente através do Caminho da Imortalidade ou Liberação.

Trilhar esses caminhos significa trabalhar o corpo - herança da re-encarnação das estrelas do universo - para nele conter não apenas uma parte do Todo do Universo mas também o Tudo e o Nada gerados pelo Tao através do Espírito.


Sendo Poeira de Estrelas, podemos voltar a ser uma Estrela?

 Janine Milward


Lao Tsé finaliza seu Capítulo 7 do Tao Te Ching, assim nos afirmando:

Assim,
O Homem Sagrado deixa seu corpo para trás e o Corpo avança
Além do corpo, o Corpo permanece
Através do não-corpo, conclui o Corpo

O Homem Sagrado é aquele que já alcançou a Iluminação, possuindo, portanto, consciência iluminada e infinita, sabedora de sua herança da re-encarnação das estrelas do universo e contenedora do Espírito do Tao.

No momento em que o homem compreende que ainda cria para si e percebe que não deveria mais criar para si – e dessa forma alcançar a constância do céu – ele torna-se Homem Sagrado, ou seja, co-Criador de sua própria Criação, já a caminho do total desapego de seu corpo, já em busca de seu Corpo. É o Dagdhabiija, ou Semente Queimada, aquele que não mais cria para si sua própria criação, seu corpo dentro do Mundo da Manifestação.

O não criar para si seu próprio corpo dentro do Mundo da Manifestação significa realizar a Alquimia do Caldeirão. O Caldeirão é o próprio corpo, a criação dentro do Mundo da Manifestação em sua Eterna Mutação. Sendo conscientizada a realidade da mutação como criação, o Homem Sagrado passa a alquimizar seu corpo em Corpo – é o chamado Corpo de Luz. Na verdade, essa Luz é o Vazio, é o não-corpo – da duração à constância.

A iluminação da consciência ainda pressupõe a duração. Apenas adjuntada a iluminação e infinitude da consciência à iluminação e infinitude da vida é que se pode pressupor a constância.

O verdadeiro Homem Sagrado é aquele que alcança a iluminação e infinitude de sua consciência e a iluminação e infinitude de sua vida. Dessa forma, ele será a própria Criação, em sua constância e duração, em seu céu e sua terra, e criará esta Criação não para si... porque já estará entrelaçado ao Tao da Criação.

O Homem Sagrado deixa seu corpo para trás e o Corpo avança

Esse corpo feito de poeira de estrelas, já contendo em si mesmo a consciência iluminada e infinita, busca trazer para si mesmo a Luz dessas estrelas da qual faz parte - dentro da simultaneidade do universo.

Luz é matéria. Trazer a Luz à matéria do corpo é o trabalho realizado dentro do Caminho da Imortalidade ou Liberação. O Homem Sagrado, ao se aproximar e se fusionar mais e mais com o Espírito do Tao, gera e cria para si mesmo sua própria Luz, como se, pouco a pouco, fosse se tornando uma estrela, voltando a ser uma estrela, fazendo seu corpo acompanhar a Luz que já existe de forma subjetiva em sua consciência expandida, infinita e iluminada pela Luz do Tao.

Além do corpo, o Corpo permanece

Este processo alquímico vai acontecendo de forma que o corpo físico vai sendo "tomado" pela Luz que o ilumina, fazendo-o então tomar a forma de um Corpo de Luz. Esse Corpo de Luz é constante enquanto o corpo é duradouro.

Através do não-corpo, conclui o Corpo

Finalmente, o corpo físico, poeira de estrelas, herdeiro da re-encarnação das estrelas do universo, já plenamente fusionado à Luz do Espírito do Tao, deixa de ser corpo - agora é o não-corpo - concluindo o Corpo, o Corpo de Luz, o Corpo Espiritual.

Isso é a Imortalidade. No não-corpo da Imortalidade, a Criação surge como o Corpo, aquele que não cria para si. E não cria para si porque já está a caminho do Mundo da Não-Manifestação.

O corpo possui a Luz. O não-corpo possui o Vazio. O Corpo possui a Imortalidade. A Imortalidade é a não-mutação. A não-mutação advém do Tao. A única não-mutação é a própria eterna mutação. O Tao é a única não-mutação. A partir do Tao, o Tudo e o Todo e o Nada são mutações.

O Corpo de Luz do Homem Sagrado traz em si mesmo O Tao, O Caminho, e o Te, A Virtude, o tempo e o espaço, o céu e a terra, a constância e a duração e retorna à sua fonte primordial, volta a ser uma estrela.

(Uma estrela espiritual, certamente, pertencente ao Mundo da Não-Manifestação, pronta a ser materializada no Mundo da Manifestação através da realização da mente)


Os Caminhos da Iluminação e da Liberação ou Imortalidade

 Janine Milward

Nossa Iluminação nos traz consciência infinita porém ainda atrelada à inspiração e expiração primeira e última dentro de nossa evolução no universo...

Nossa Liberação ou Imortalidade nos traz não apenas a consciência plena e infinita mas principalmente, nossa vida infinita e em absoluta plenitude.

Dessa forma, após a Iluminação, ao transmutarmos nosso corpo físico, nosso Caldeirão, em um Corpo de Luz (sempre através da iluminação plena e infinitude de nossa mente), nos fusionaremos de tal forma com a Consciência Suprema, que estaremos, junto ao Criador agindo como co-criadores da Criação, criando um novo universo, tornando-nos a Luz primeira e o Vazio último desse universo a vir-a-ser.


O Caminho da Iluminação: Mente Iluminada e Infinita

 Janine Milward

Quando o Caminhante, após um longo tempo de trabalho espiritual através do exercício do Tao, o Caminho e do Te, a Virtude, e do aprofundamento na meditação, alcança, finalmente, a infinitude e iluminação da mente, já não mais existe retorno ou mesmo estacionamento neste mesmo Caminho, não.
A infinitização e a iluminação da mente pressupõem que o Caminhante – já Homem Sagrado – possa se tornar o co-autor de sua própria criação bem como de todo o restante da Criação. Isso porque ele já realizou a fusão de sua mente coletivizada, Jiiva, com a Mente Unitária, a Mente Cósmica, Shiva.
Porém, a infinitização e a iluminação da mente não retiram o Caminhante da Samsara, a Roda da Vida, as encarnações em um Planeta de materialização plena, assim como a Terra, porque é ainda dentro da vida encarnada que a preservação do Elixir da Vida pode ser amadurecido e processado – questões que serão tratadas quando o Caminhante se colocar no Caminho da Imortalidade ou Iluminação.
No entanto, o fato de possuir a mente infinita e iluminada e o Elixir da Vida em sua essência já fazendo parte da mente, certamente leva o Caminhante, neste estágio, a compreender que não existe outro caminho a ser realizado dentro da encarnação!
Se acontecer do Caminhante ainda dentro da mesma encarnação tiver tempo para trabalhar o seu Elixir da Vida realizando seu Caminho da Imortalidade ou Liberação, ótimo. Se não, o Caminhante sai desta vida carregando em sua mente a essência do Elixir da Vida e na encarnação seguinte, ‘desperta’ para a vida espiritual já com sua base plenamente bem estruturada – porque já traz consigo a infinitização e iluminação da mente bem como a essência do Elixir da Vida bem preservada.
Dessa forma, o Caminhante, após seu jovem ‘despertar’, já como mestre, possivelmente conseguirá, em sua nova encarnação, realizar plenamente o processamento da essência do Elixir da Vida em real vida – a Alquimia do Caldeirão, a transmutação de seu corpo físico em Corpo de Luz – o Caminho da Imortalidade ou Liberação, que lhe trará também a iluminação e a infinitização de seu corpo físico, transformando o Caminhante – já como Homem Sagrado – em uma Estrela de Seis Pontas, aquela que bem realiza a fusão entre o céu e a terra, entre mente e vida e Mente e Vida Cósmicas.
É por isso, então, que o alcance da mente iluminada e infinita – o que já significa uma longa viagem espiritual, certamente, não retira o Caminhante da Roda da Vida, a Samsara, ao contrário, exatamente por possuir a expansão plena de sua mente, este compreende que é somente dentro da encarnação, da materialização que a vida advinda do seu Elixir da Vida poderá realmente acontecer.
No entanto, entre uma encarnação e outra, o Caminhante, o mestre, já poderá usufruir e compartilhar da companhia de seres mais elevados e isso faz com que a mente iluminada e infinita não se perca da essência do Elixir da Vida e permaneça ativa, aguardando o momento adequado para uma nova descida à materialização do corpo físico.


A Alquimia do Caldeirão
Transmutação do corpo físico em Corpo de Luz

 Janine Milward


A Alquimia do Tao é a transmutação do corpo físico em Corpo de Luz adquirida através do processo da meditação que alcança, inicialmente, a plenitude e infinitude da consciência do Homem Sagrado fusionada à Consciência Suprema e seguida pelo processamento da matéria em pura Luz, alcançando, assim, a infinitude do corpo fusionada à infinitude do tempo e do espaço do Tao.

No Caminho da Iluminação o que se pretende alcançar é a infinitude da consciência, a plena e total iluminação da consciência, a expansão ilimitada da consciência.

Essa consciência já vem fusionada com o Espírito que por sua vez já se fusionou com o Sopro Primordial, a Alma, e O Elixir da Vida é uma energia concreta, objetivada – que pode, porém, ser perdida.

Dessa forma, com o Elixir da Vida adquirido, o Caminhante parte, então, para o reprocessamento desse Elixir, tornando-o mais e mais preservado e amadurecido.

Então, esse novo caminho é o Caminho da Liberação ou Imortalidade e o que se pretende alcançar é a infinitude da vida, a plena e total iluminação da vida, a expansão ilimitada e infinita da vida.

Para tanto, é preciso que o Caminhante tenha realizado seu Elixir da Vida e alcançado seu patamar de consciência iluminada e infinita dentro do Caminho da Iluminação.

O Elixir da Vida pressupõe conter em si mesmo a própria essência da vida: o mestre é co-autor de sua própria criação e da totalidade da Criação, junto à Mente Cósmica. Sendo assim, o mestre trabalha em si mesmo a criação da Vida, da Luz – ou seja, a representação plena da Mente Cósmica através da Luz materializada plenamente.

Nosso corpo físico acolhe em si mesmo, na encarnação, nossa Alma coletivizada que carrega consigo o Espírito unitário. No entanto, nosso corpo físico – mesmo que seja absolutamente perfeito para a realização da encarnação no sentido de, através do ego e de sua motoração, realizar o projeto de Trabalho e de Iluminação a que a Alma se propõe quando realiza seu descenso à encarnação. Porém, sabemos todos que esse corpo físico, como uma boa máquina, um dia pára de trabalhar, e se desfaz... vira pó ou cinzas... enquanto a Alma novamente ascende para fusionar-se ao Espírito unitário, carregando consigo a mente e o grau de expansão da consciência atingido na encarnação. Assim, nosso corpo físico é um corpo amorfo em cuja vida acontece a partir do Sopro Primordial e do Espírito que nele passam a habitar.

Quando o mestre realizou seu Caminho da iluminação, alcançando a plenitude de sua mente em sua iluminação e infinitude, sua relação com o corpo físico adquire uma nova conotação, uma forma de ser e de viver bastante diferenciada do resto dos outros seres. E por que? Porque o mestre iluminado já passa habitar seu eu interior, sua interiorização máxima como um todo, observando não apenas a si mesmo externamente como um corpo físico que serve à sua Alma e Espíritos fusionados bem como também toda a natureza em torno de si.

Em sendo a mente espelhada e materializada através da Luz e Não-Luz, o mestre com mente iluminada e infinita, plenamente interiorizado dentro de seu corpo físico, passa a trabalhá-lo intensamente no sentido de também a este trazer Luz e Não-Luz em uma transformação alquímica poderosa...

E por que assim acontece? Possivelmente porque a continuidade de vida na Criação pressupõe o nascimento de mais e mais estrelas, corpos de luz que proporcionam vida à Vida.... e também será através desse processo que o mestre com a mente iluminada e infinita se torne Mestre – aquele que tem poder de vida, vida iluminada e infinita e que, mesmo encarnado, proporciona vida à Vida dos seres que em torno Dele giram.

À medida que o mestre vai se tornando Mestre e trabalhando seu Corpo de Luz, sua força e energia de luz e vida transparece visivelmente, ampliando ilimitadamente sua aura, atraindo a si os seres necessitados de sua mente iluminada e infinita e da luz de vida que sua própria encarnação oferece. Dizem que tais mestres exalam luz através das fendas de seu corpo físico, exalam energia de tal intensidade que seus discípulos se sentem como planetas amorfos girando em torno do grandioso Sol doador de vida.

Durante o processo de transmutação do corpo físico em Corpo de Luz, o Mestre realiza o amadurecimento completo de seu Elixir da Vida. Esta Vida instala-se assim como uma semente pronta a desabrochar, uma criança prestes a verdadeiramente nascer – o Feto Sagrado, a gestação a um ser de luz dentro de si mesmo. Esse sentimento de estar gestando um Ser de Luz não é ilusório ou subjetivo, não, é real mesmo: começa a surgir no ventre do Caminhante uma energia condensada extremamente poderosa.

Quando o Feto Sagrado se torna totalmente amadurecido surge o Corpo Solar ou Corpo de Luz ainda interiorizado dentro do Caminhante. Existem Mestres que são tão iluminados por este Corpo Solar que iluminam qualquer lugar onde chegam!

Finalmente, este Corpo Solar é exteriorizado e a partir desse momento, o Caminhante Iluminado passa a trabalhar seu próprio corpo físico , seu Caldeirão, para torná-lo apto a se interiorizar totalmente dentro do Corpo Solar – que passa a ser o corpo real e alquimizado do Caminhante Iluminado e prestes a se tornar um Imortal, O Homem Sagrado.

Assim, o Elixir da Vida plenamente amadurecido é reprocessado até que se torne pura Luz.... primeiramente inteiramente interiorizada... até que seja plenamente exteriorizada e o Homem Sagrado se revista de seu Corpo de Luz.

Essa é a Alquimia do Tao. Essa Alquimia surge a partir da constância do Céu e da duração da Terra, ou seja, da fusão dos elementos do Mundo da Não-Manifestação com os do Mundo da Manifestação....isso traz a eternidade. Isso é a Vida, assim é a constante mutação da Criação, ao longo de seus vários ciclos, em vários estágios e dimensões.

Lao Tsé nos revela o segredo da Criação quando nos fala sobre a constância, a infinitude do Mundo da Não-Manifestação e a mutação do Mundo da Manifestação e nos diz que constância e mutação podem acontecer porque realizam o desapego em relação a tudo que criam.

No Caminho da Imortalidade ou Liberação, na realização da Alquimia do Caldeirão, o Mestre imita o segredo da Criação através da transmutação e desapego de seu próprio corpo físico e amorfo, transformando-o em corpo de luz, em vida iluminada e infinita com mente iluminada e infinita.

O céu é constante, a terra é duradoura
O que permite a constância e a duração do céu e da terra
É o não criar para si
Por isso são constantes e duradouros
Assim,
O Homem Sagrado deixa seu corpo para trás
E o Corpo avança
Além do corpo, o Corpo permanece
Através do não-corpo, conclui o Corpo (5)



O Caminho da Iluminação
e o Caminho da Liberação ou Imortalidade

 Janine Milward

O Caminho da Imortalidade se dá quando, ao morrer, o Iluminado não deixa seu corpo na terra para ser cremado ou enterrado...ele ascende para o céu com seu Corpo de Luz exteriorizado e seu corpo físico interiorizado e totalmente alquimizado – tudo é Corpo de Luz - tornando-se, então, um Imortal. Mestre Jesus foi um claro exemplo de Ascensão aos Céus.

Essa é a Sagração do Homem, esse é o Homem Sagrado.

O Caminho tem o poder do eterno
Assim,
Mesmo perdendo o corpo, não irá perecer (16)

O Caminho da Imortalidade é muito mais além do que O Caminho da Iluminação – desde que traz a Infinitude da Consciência e da Vida, A Imortalidade, e não somente a Infinitude da Consciência, A Iluminação.

O Iluminado ainda continua atado à Roda da Vida, retornando à encarnação para continuar processando seu Elixir da Vida. Ele possui a consciência iluminada e infinita mas ainda não possui, em si mesmo, a própria Luz e a própria infinitude. Luz é matéria. É somente dentro da encarnação que o processamento da própria Luz – a partir do Elixir da Vida - pode ser realizado e a Alquimia do Tao pode ser completada.

Concluir o nome, terminar a obra, retirar o corpo
Este é o Caminho do Céu (12)

O Imortal não mais continua atado à Roda da Vida, não mais precisando retornar à encarnação.... No entanto, muitos Imortais assumem o compromisso de retornar á encarnação e atuarem como mestres até que o último ser alcance sua Iluminação e Imortalidade...

Mas quem pode possuir sobra para oferecer ao mundo?
Somente aquele que possui o Caminho
Por isso, o Homem Sagrado
Age sem querer para si
Conclui a obra mas não se apega
E não deseja mostrar sua eminência (13)

Lao Tsé bem nos descreve o Iluminado e o Imortal quando qualifica ambos de "Grande", sendo que o primeiro é o "Ir" e o segundo o "Retornar" bem como ambos são "O rei", ou seja, aquele que possui em si (o Iluminado) e é em si (O Imortal) a Consciência do Tao: O Espírito e O Sopro Primordial da Criação.

Eu não conheço seu nome
Chamo-o de Caminho
Esforçando-me por denominá-lo, chamo-o de Grande
Grande significa Ir
Ir significa Distante
Distante significa Retornar

O Caminho é grande
O céu é grande
A terra é grande
O rei é grande
Dentro do universo há quatro grandes,
E o rei é um deles.

O homem se orienta pela terra
A terra se orienta pelo céu
O céu se orienta pelo Tao
O Tao se orienta por sua própria natureza (1)

O homem iluminado é a terra. O Homem Sagrado imortalizado é o céu. O rei é a consciência iluminada e infinita. Quando o homem alcança sua Iluminação, ou seja, fusiona sua consciência com a Consciência Suprema, ele torna-se o rei. O rei, já como Homem Sagrado, devota-se a trazer o céu para sua terra, ou seja, tornar seu corpo físico em Corpo de Luz, alcançando a vida infinita e consciência infinita, espelho do Tao.

Com um abraço estrelado,
Janine Milward


Ao Leitor/Caminhante
o Texto acima é de autoria de Janine Milward ₢2004. 
Se você quiser copiar ou encaminhar, 
faça sempre na íntegra e sempre mencionando sua autoria e seus direitos reservados. 
Obrigada e Namaskar, eu saúdo você com minha mente e com meu coração.